Ambientes comerciais e corporativos e o design biofílico: como explorar a natureza nesse tipo de projeto

A morada de uma empresa é uma representação física do seu trabalho, é a primeira informação que ela oferece sobre o que o cliente deve esperar ao entrar em contato com a corporação. Por isso, um projeto de arquitetura bem estruturado é fundamental no processo de busca por novos clientes. 

Além disso, oferecer um local de trabalho aconchegante para o colaborador torna o ofício muito mais leve e prazeroso, aumentando a produtividade e a retenção da equipe. Uma das formas de fazer isso é por meio do design biofílico e a Castelatto traz alguns insights neste artigo.

Pensando de forma prática, existe uma série de maneiras de proporcionar um ambiente melhor por meio da arquitetura. A criação de um projeto com espaços amplos e adequados às necessidades dos clientes, bem como a escolha dos móveis, pisos e revestimentos, são cruciais para garantir bem-estar, elegância e sofisticação. Nesse sentido, o design biofílico é uma ótima opção. Caracterizado por trazer elementos que remetem à natureza, ele proporciona mais qualidade de vida e propicia o relaxamento, mesmo durante o horário de trabalho.

A Arquiteta e Urbanista Vivian Coser salienta o uso do design biofílico em ambientes profissionais. “Em ambientes comerciais, [o design biofílico] proporciona bem-estar aos funcionários e clientes, estimulando a permanência nesses espaços. Em espaços corporativos, por sua vez, ajuda a aliviar a tensão e estresse desse tipo de ambiente, consequentemente, aumentando a produtividade de uma equipe”, afirma.

Vivian também pontua, assim como em outros artigos da Castelatto sobre o design biofílico (no home office e em projetos não convencionais), que a execução de um projeto como esse não precisa estar necessariamente vinculada a elementos como folhas ou troncos de árvore. Ela exemplifica como explorar as possibilidades: “Iluminação e ventilação natural, o som de fenômenos da natureza e a paleta de cores que remete a um ambiente natural”.

No caso de ambientes corporativos, o design biofílico é importante justamente para quebrar essa seriedade, sem deixar de lado o profissionalismo. Em ambientes externos, por exemplo, é possível fazer isso através da linha Ekko Plus da Castelatto. Além dos grânulos que relembram superfícies rochosas, o piso possui excelente permeabilidade e pode ser utilizado para construção de sistemas de drenagem dos tipos: infiltração total, infiltração parcial e captação de água para reuso.

Revestimento Castelatto: Ekko Plus Geométrico
Responsável pelo projeto: Paisagistas Catê Poli e João Jadão
Foto: Favaro Jr.

Já para explorar o design biofílico dentro de um espaço corporativo, a principal recomendação é o uso do Moss. Ele permite uma série de aplicações em diferentes revestimentos e garante bem-estar no trabalho. Suas composições vibrantes aliam a natureza a um design sofisticado e de fácil manutenção, proporcionando um décor mais leve e aconchegante.

Revestimentos Castelatto: Mosaico Etrusco Fendi e Moss Verde Floresta
Responsável pelo projeto: Arquiteta Thalita Aguilar
Foto: Favaro Jr.

Em ambientes comerciais, o design biofílico pode ser interessante inclusive para os clientes. Entrar em um local para comprar um item e se deparar com um ambiente propício para o relaxamento certamente trará um grande impacto no processo de compra. Especialmente em tempos em que as pessoas realizam muitas tarefas no dia e têm vidas agitadas, essa pausa será muito benéfica.

A Castelatto dispõe ainda das linhas Synus, Trama e Colonna, elementos vazados que podem ajudar a compor um espaço biofílico em ambientes comerciais e corporativos ao trazer a passagem de ventilação e iluminação natural para os espaços. A linha Synus, por exemplo, é recomendada em fachadas ou divisórias internas. Seu design permite a entrada de ventilação e luz no ambiente, além de agregar leveza e personalidade ao projeto.

Revestimentos Castelatto: Synus Grezzo
Responsável pelo projeto: AC Arquitetura e Tropicalia Paisagismo
Foto: Favaro Jr

A linha Trama também segue a linha de acesso à ventilação no ambiente. Trata-se de uma releitura moderna da arquitetura dos antigos horreos, quando era necessária a entrada de ar e iluminação para a conservação dos materiais armazenados.

Revestimentos Castelatto: Trama Branco
Responsável pelo projeto: Arquiteto Jayme Bernardo
Foto: Inês Antich

Por fim, a linha Colonna traz efeitos de volumetria em um formato com um sutil efeito de torção, que valoriza o ambiente e também proporciona acesso direto à natureza.

Revestimentos Castelatto: Colonna Etrusco Branco
Responsável pelo projeto: Designer de Interiores Sarita Ávila
Foto: Favaro Jr.

Sobre Vivian Coser

Vivian Coser é CEO, Arquiteta, Urbanista e Diretora Criativa da Vivian Coser Arquitetos Associados, um estúdio de arquitetura com mais de 15 anos de mercado e que reúne expressivos projetos nas principais cidades do país e no exterior.

Notícias Relacionadas